Minha ideia de comunidades de imigrantes sempre envolve grupos unidos e solidários, se ajudando sempre que possível. Era assim com os italianos da FIAT e Fundação Torino com quem cresci. Era assim nos relatos que ouvi de pessoas mais velhas que conviveram com comunidades de portugueses, italianos, libaneses e judeus em Belo Horizonte.

Mas entre brasileiros no Canadá? Bom, essa solidariedade até existe, mas… parece ser quase uma exceção e não uma regra. Digamos que ela existe em pequenos grupos de pessoas, mas não entre toda uma comunidade. Há quem até mude de calçada quando reconhece um brasileiro vindo em sua direção (mesmo que essa pessoa nem lhe conheça).

Aprendi isso com dor. Meu colega brasileiro no College não queria conversa comigo. Éramos os únicos brasileiros no programa e não nos entendemos. Um ano e meio sem nos falarmos e nos evitando, mas antes disso ele meio que se recusava a falar português comigo. Não vou perder tempo discutindo sobre o que aconteceu ou de quem foi a culpa (que na realidade sempre é de todas as partes). Eu nunca quis amizade com esse rapaz, é bom deixar claro. Apenas um convívio cordial dentro daquele espaço, e alguma solidariedade de patrícios. Mas a lição que tirei de tudo isso foi: contato com brasileiros é algo que precisa ser tratado com muito, muito, muito, muito, muito cuidado por aqui.

Eu que o diga, principalmente com minha experiência de YouTuber. Nunca tive tanta paz por aqui a partir do momento em que parei de fazer vídeos novos e deixei de conviver diariamente com muitos brasileiros. Para aqueles com quem convivo, prefiro hoje deixar que tenham muito espaço, vivam suas vidas do seu jeito e me deixem viver minha vida do meu jeito. Também deixei de ajudar qualquer pessoa que me procura, porque não tenho mais tempo. E sei que basta uma opinião divergente para que instale-se “a briga” e qualquer senso de gratidão por ajudas prestadas seja jogado para o espaço. Às vezes, escutamos o que queremos escutar e não o que a outra pessoa realmente diz… às vezes nos expressamos mal também.

Alguns de nós temos a tendência de procurar brasileiros por aqui para aliviar a solidão nos primeiros tempos. A família está longe, os amigos de sempre também… então sentimos falta de pessoas por perto. E ante a dificuldade em nos comunicarmos com tantas pessoas que estão ao redor, pelo pouco domínio da língua… ou até mesmo para falar um português e colocar assuntos que os canadenses ignoram em dia, vamos atrás de brasileiros.

Só que é preciso termos um importante detalhe em mente: não são amigos. São apenas colegas de imigração. Ninguém se conhece muito bem, e os vínculos conectando essas pessoas são frágeis e recentes. Podem se partir a qualquer hora. Além disso, podem ser pessoas completamente diferentes de você. Pessoas que muito provavelmente não seriam suas amigas no Brasil.

É duro, mas é assim. No caso de brasileiros o Canadá é para os fortes que conseguem segurar bem a solidão nos primeiros tempos, se for preciso. Aqueles que conseguem se bastar com a própria companhia se não houver alguém por perto. Não tem glamour! Muito provavelmente você não andará em bando com outros patrícios, como os chineses costumam fazer. Os amigos virão aos poucos, não sem antes darmos algumas cabeçadas dolorosas por aí. Tudo envolve um processo que tem seu tempo e não temos como acelerar ou controlar.

Músico, Doutor em Musicologia e designer de mídia interativa, vivendo em Ottawa desde 2015. Acredito que o sonho canadense não existe, mas sim uma multiplicidade de sonhos diferentes que convergem para o mesmo lugar!