Arrogante, hipócrita, aproveitador e injustamente favorecido por Ottawa.

É assim que o Quebec é percebido no oeste canadense onde as reclamações só tem aumentado.

O sentimento anti-Quebec é a oposição ou hostilidade ao governo, à cultura ou ao povo francófono do Quebec.

Petróleo

Os especialistas concordam que o Quebec Bashing só aumenta desde 2015. E pode piorar nos próximos anos. No oeste (Alberta, Saskatchewan e Manitoba), as reações foram vitriólicas após o abandono do projeto do gasoduto Energie Est.

“O Quebec é um hipócrita. Nosso gasoduto está sendo negado por razões ambientais, mas [Montreal] está despejando milhões de galões de esgoto no rio St-Laurent. Eles têm o orgulho de apresentar orçamentos excedentes. Porém, eles recebem a maior parte da Equalização que vem em parte de Alberta. Estão defendendo fundos públicos para a Bombardier, mas estão ativamente lutando contra as companhias petrolíferas do oeste. É incrivelmente arrogante”, diz Danielle Smith, radialista e ex-líder da direita Wildrose.

Tanto os cidadãos comuns quanto figuras públicas estão revoltados com a nossa província.

“Honestamente, eu realmente lamento que o Quebec não tenha se separado do Canadá. Isso teria nos poupado pelo menos os pagamentos de equalização. Eu odeio o Quebec cada dia mais.”

O projeto Energy East, que iria ligar o oeste até os portos de New Brunswick, embargado por questões ambientais.

Defesa à separação

Os albertenses provaram ser fortes defensores da independência do Quebec ou do oeste canadense.

“Que o Quebec se separe!”

O Quebec é visto como indevidamente privilegiado pelo governo federal. Enquanto isso, parte do oeste está passando por uma das piores recessões de sua história. O Quebec é visto como indiferente aos infortúnios e com total descaso à condição das outras províncias. Alguns até culpam a província por seus problemas. Muitas pessoas têm horror ao Quebec.

“O projeto Energie Est apresentou uma oportunidade de ouro para unir o leste e o oeste e reduzir o abismo entre nós. E isso terminou em fracasso”, diz Chris Kirk, fundador do Partido da Independência do Oeste de Saskatchewan.

Se tivesse sido criado, o gasoduto transportaria 1,1 milhão de barris de petróleo bruto por dia. Ele ligaria Alberta e Saskatchewan para refinarias no leste do Canadá e o terminal portuário em New Brunswick; uma distância de 4500 km. Porém, o impacto ambiental da obra e a possibilidade de acidentes teriam um efeito muito negativo para o meio ambiente.

Alberta é um dos grandes defensores da separação do Quebec do Canadá.

Tempos difíceis em Alberta

A recessão econômica tem sido dura principalmente para comunidades rurais nas províncias do oeste do Canadá. As pessoas estão perdendo seus empregos. As comunidades também veem o desaparecimento de serviços que foram patrocinados por empresas de petróleo.

O Quebec não sente os efeitos da crise diretamente. Porém, as comunidades no oeste tem sentido diretamente o resultado dela. Um exemplo disso são as ligas esportivas patrocinadas por estas empresas desaparecendo.

Um ex-morador de Edmonton que ficou desempregado depois de 16 anos na indústria do carvão critica duramente o Governo. “Culpa da ridícula luta dos liberais federais e do Quebec contra o carvão”, disse ele.

Incapaz de encontrar emprego em Alberta, ele se mudou para o norte da Colúmbia Britânica, longe da família. “Muitos dos problemas enfrentados por Alberta são culpa de Ottawa e Quebec. Eles estão pressionando suas agendas ambientais no oeste do Canadá. Eu odeio o Quebec!”, diz Stewart.

Efeitos também sobre Québec

Não é só Alberta a afetada pela crise econômica nas pradarias. Muitos quebequenses que também dependiam de empregos bem remunerados no oeste do Canadá estão em busca de emprego depois das várias ondas de demissões na indústria do petróleo.

Para acalmar a população do Oeste canadense, o primeiro ministro Justin Trudeau anunciou em 16 de abril deste ano que um outro projeto de expansão de oleoduto será construído no oeste. O Trans Mountain levará petróleo de Vancouver à Edmonton. Apesar de menor que o Energie Est, o projeto já causou muitas manifestações por parte dos ambientalistas.

“A expansão do Trans Mountain é de interesse estratégico vital para o Canadá. E ele será construído. (…) Minha obrigação é para com o povo de BC e eu vou defender isso enquanto eu for Primeiro Ministro”, afirmou Trudeau.

Argumentos contra o Québec

Bombardier

Enquanto os canadenses do oeste sentem que projetos de oleodutos são torpedeados pela oposição do Quebec, os governos estão ajudando a indústria aeroespacial localizada no Quebec, eles lamentam. Ottawa, por exemplo, concedeu $ 372,5 milhões ao programa Serie C da Bombardier na forma de contribuições reembolsáveis ​​em fevereiro de 2017.

Horror a Trudeau

Parece que todas as razões são boas para odiar Justin Trudeau nas províncias do oeste. Ele é um liberal, ele é o filho de Pierre Elliott Trudeau. E ele é um quebequense. Ele é um ex-professor de teatro que não tinha experiência política antes de ser eleito para a Câmara dos Comuns.

Ele disse anos atrás que o Canadá estava em um mau caminho porque era dirigido por albertenses, ressaltando que todos os grandes primeiros-ministros vieram do Quebec e o país pertencia aos quebequenses.

O sentimento geral é que ele favorece o Quebec à custa de outras províncias.

O primeiro ministro Justin Trudeau não é uma das figuras mais populares entre os quebequences

Equalização

O programa federal é o que mais irrita os albertenses. O objetivo é redistribuir o dinheiro para as províncias menos ricas na forma de “pagamentos de equalização”. Com isso as províncias teriam condições de oferecer serviços públicos com qualidade semelhante em todas as províncias.

Em 2017-2018, o Quebec recebeu $ 11 bilhões, mais do que todas as outras províncias juntas. Esse é dinheiro de arrecadação Federal, pago por contribuintes de todas as províncias.

Alberta não receberá nada este ano.

Cultura e discriminação

Alguns jornalistas e acadêmicos que defendem a soberania do Québec observaram que as representações desfavoráveis ​​da província pela mídia anglo-canadense aumentaram no final da década de 1990 após o mal sucedido referendo de Quebec de 1995 sobre a independência.

Os quebequenses de língua francesa foram criticados por seus colegas anglófonos porque se sentem discriminados pela lei que exige o francês como única língua de trabalho. A lei está em vigor no Quebec desde 1977.

A expressão “pure laine” (“lã pura”), usada para denotar os quebequenses de ascendência francesa, tem sido frequentemente citada como uma manifestação de atitudes discriminatórias. O “pure laine” foi retratado como uma expressão de exclusão racial. Enquanto isso, os contra-críticos consideram o termo obsoleto.

Críticos observam a baixa porcentagem de participação de minorias em quaisquer níveis dos serviços públicos do Quebec. Apesar dos esforços para aumentar essa participação, o serviço público do Québec é em grande parte francófono.

Imposição lingüística

Acredita-se que as leis lingüísticas no Quebec que promovem o uso do francês e restringem o uso do inglês refletem metas nacionalistas destinadas a preservar e fortalecer a língua francesa dentro da província, criticada por excluir quem não fala francês.

A Comissão de Proteção da Língua Francesa (CPLF) e o Office Québécois de Ia langue Française (OQLF), que aplicam a Carta da Língua Francesa, têm sido freqüentemente chamados de “polícias de idiomas”. As leis de sinalização exigem que o francês sobreponha o inglês ou outros idiomas em placas comerciais. Os quebequenses de língua inglesa se opõem fortemente a essa imposição.

Identidade cultural

O Quebec perseguiu uma identidade nacional distinta. O Canadá inglês tentou adotar o multiculturalismo.

Pierre Trudeau foi primeiro-ministro do Canadá durante grande parte do período de 1968 a 1984. Trudeau foi um franco-canadense que até o início dos anos 1980 parecia ter algum grau de apoio entre o povo de Quebec. Ele acreditava que a nação precisava abandonar a teoria das “duas nações” em favor do multiculturalismo e insistia em tratar todas as províncias como inerentemente iguais umas às outras. Ele não queria conceder um veto constitucional ou status de sociedade distinta ao Quebec.

O professor Kenneth McRoberts, da Universidade de York, diz que o legado de Trudeau levou o “Resto do Canadá” a interpretar mal o nacionalismo do Quebec. Eles se ressentem ou se irritam com os governos federal e do Quebec em relação a questões de idioma, cultura e identidade nacional.

Em 1991, McRoberts argumentou que o efeito das políticas de Trudeau de bilinguismo, multiculturalismo e o fortalecimento de uma Carta de Direitos, juntamente com as leis provinciais de idioma no Quebec estabelecendo “a preeminência do francês dentro de seu próprio território”, criaram uma aparência de que o Quebec ter agido “de má-fé”, violando “um contrato que havia firmado com o Canadá inglês, segundo o qual o bilinguismo oficial seria a regra em todo o país”.

Discriminação por parte dos francófonos

O Quebec continua a atrair críticas de jornalistas anglo-canadenses sobre as atitudes dos habitantes do Quebec em relação aos anglófonos, judeus e outras minorias étnicas que aqui vivem. O discurso de concessão de Jacque Parizeau após o referendo de 1995, no qual ele atribuiu a derrota ao “dinheiro e ao voto étnico”, foi interpretado por alguns como uma referência tácita aos estereótipos tradicionais dos judeus, e criou uma controvérsia que provocou desaprovação de ambos lados e um pedido de desculpas do próprio Parizeau no dia seguinte.

Em 2000, uma nova onda de críticas eclodiu como resultado de comentários feitos sobre os judeus, por Yves Michaud, uma proeminente figura pública nacionalista do Quebec, que foram interpretados por alguns como sendo anti-semita. As observações foram objeto de uma rápida resolução denunciatória da Assembléia Nacional do Quebec.

Ao longo da história do Canadá muitos foram os escritores e jornalistas que escreveram sobre ações racistas de ambos os lados. Alguns retrataram o povo quebequense como chorão e mesmo anti-semita, acusando falas e ações de intelectuais e figuras importantes como Lionel Groux e políticos franco-canadenses.

Anglófonos em Montreal acusam o Governo de atitudes discriminatórias contra a minoria da população.

Eleições 2019

A campanha eleitoral provincial em Alberta está prevista para 2019.

Os candidatos conservadores já são muito focados em suas críticas ao Quebec, com o objetivo de recuperar a província, atualmente sob a liderança dos Novos Democratas.

O ano é também a próxima eleição federal. O primeiro-ministro Justin Trudeau é uma figura particularmente odiada no oeste do Canadá. Sem mencionar que a Equalização será renegociada.

“Quando enfrentamos grandes déficits e uma situação econômica mais difícil, não entendemos por que pagamos pelos programas dos outros. Isso certamente mudará em 2019 “, disse Jason Kenney, ex-ministro federal e aspirante a líder do Partido Conservador Unido em Alberta.

A frustração é tal que o movimento até então muito marginal de secessão do oeste está ganhando força.

Enquanto grande parte dessa animosidade vem da população conservadora (maioria), “o Quebec também conseguiu atrair brevemente a ira da esquerda de Alberta recentemente com sua lei 62 sobre a neutralidade religiosa”, diz o cientista político Frederic Boily.

Futuro incerto

Esta não é a primeira vez na história de Alberta que uma onda de ressentimento contra o Quebec chega nesses níveis. O golpe mais forte do Quebec ocorreu na década de 1980, quando Pierre Elliott Trudeau estava no poder.

A política energética de Trudeau, combinada com as dificuldades econômicas do oeste e a retórica nacionalista em Quebec, contribuíram para um aumento do descontentamento com a Belle Province. Mas não apenas o oeste canadense e os anglófonos tem esse ódio contra o Québec Québec. Pessoas de outras províncias também demonstram uma certa hostilidade para com os quebequenses. Inclusive por parte de imigrantes.

Infelizmente, uma parte da população do Quebec tem se demonstrado xenófoba em relação aos imigrantes nos últimos anos, devido ao aumento de refugiados que imigram no Quebec, o que levou à ascensão da extrema-direita na província.

A sua relação com o Quebec e os quebequenses é de amor ou de ódio?

Referências

 

Alice Bessa Veloso

Written by Alice Bessa Veloso

Gosto de me comunicar de maneira criativa e ajudar imigrantes a melhor se integrarem na sociedade canadense. Conheço os grandes desafios ligados a imigração e estou disposta à compartilhar dicas e meus conhecimentos a fim de facilitar a integração dos recém chegados.

Um comentários

Deixe um Comentário

Deixe uma resposta