O risco de sermos vítimas de um crime em Montreal é relativamente pequeno, menos ainda de um crime violento. Mas algumas regiões atraem mais criminosos do que outras.

Perfil do crime

Crimes entre desconhecidos acontecem principalmente no centro da cidade, deixando para os casos de violência conjugal e crimes passionais. Isso é o que afirma o criminologista da Universidade de Montreal, Rémi Boivin.

Segundo a teoria da desorganização social, em uma cidade os crimes são distribuídos de forma desigual e não aleatória. O centro da cidade tem taxas de criminalidade mais altas, pois é uma área de transição contínua com maior mobilidade residencial.

Lugares mais acessíveis – perto de transportes públicos e vias principais – estão sofrendo mais crimes.

Os setores comerciais registram muito mais casos. De modo geral, mercearias, lavanderias, salões de beleza, lojas de penhor, casas de câmbio e qualquer lugar onde as transações são feitas em dinheiro – são pontos de interesse dos marginais.

A noite continua sendo o palco preferido para boa parte dos crimes. Curiosamente, o verão é também a época com maior número de casos registrados.

Mapa do crime em Montreal
Mapa do crime em Montreal. Os pontos mais escuros tem maior ocorrência de casos registrados pela polícia.

Crime organizado

Apesar da cidade ser considerada tranquila em termos de violência, o crime organizado continua operando na região. A máfia italiana marca presença nesse cenário, muitas vezes atuando junto com grupos como o Hells Angels e Rock Machine, geralmente atuando sob mandato da organização. Eles controlam a prostituição, narcotráfico, bares, venda ilegal de armas e empréstimos que podem ser pagos com crimes.

As principais gangues, tal como o Bloods (Red),  estão localizadas em Montreal Norte e Rivière-des-Prairies. As gangues dominantes dos Crips (Bleus) se localizam nos distritos Saint-Michel e Pie-IX.

As gangues marcam seu território com cores específicas. É preciso ter cuidado. Quem se atreve a andar vestido com cores características de outros grupos na vizinhança errada pode acabar se tornando uma vítima desavisada.

Os adolescentes de Montreal aprendem desde cedo as cores da sua vizinhança. Principalmente quem cruza a fronteira entre os Reds e os Blues que percorre a avenida Pie-IX do norte, antes de entrar na Viau. Essa é a linha. Se você cruzar a linha, você está em perigo.

Principais grupos

Grandes gangues têm vigias em seu território para avisá-los da chegada da polícia. Eles até escondem suas “ferramentas” – o termo que usam para armas – no caso de um eventual ataque.

Existem vinte grandes gangues de rua em Montréal. São entre 350 a 500 membros das grandes gangues de rua. Além disso, há cerca de trinta outras gangues emergentes, que podem durar um ano antes de se dissolver e abrir espaço para outro grupo.

As gangues são em sua maioria divididas em dois grupos: os Vermelhos (ou Sangues), e os Azuis (ou Crips). Cerca de 20% dos membros de gangues de rua têm entre 10 e 16 anos, 60% entre 17 e 28 anos e 20% entre 29 e 35 anos.

Criminalidade em Montreal. Hell Angels.
Os Hell Angels foi um grupo que gerou muitos problemas por todo o Canadá e que ainda existe pelo país.

Os Crips (Blue) e os Bloods (Red) não são gangues como tais, mas “famílias” ou “aglomerados” de gangues aliadas que adotam a mesma cor e tem uma causa comum.

Os crips (azuis)

  • Crack Down Posse (Saint-Michel): O CDP é a principal gangue do Crips, que amplia sua influência sobre outras gangues afiliadas ao Blues. Eles supervisionam vários grupos de pessoas mais jovens
  • 47 (PIE-IX) Gang subordinado ao CDP e da 47th Avenue.
  • 67 (Saint-Michel) Grupo “irmão” do CDP. Ativo em Saint-Michel e Pie-IX. Seu nome vem da linha de ônibus 67, que percorre o Boulevard Saint-Michel.
  • 99 (Villeray). Leva o nome da linha de ônibus 99 na rua Villeray.
  • Kazee Brezze (Pie-IX e Saint-Michel) Veteranos do Bleus com o nome crioulo, da mesma geração que o CDP.
  • MS-13 (Saint-Michel) Jovens latinos, reconhecidos por sua violência, inimigos jurados dos “18”. Preocupados com a defesa de seu território e sua honra, menos pelo dinheiro. São inspirados no MS-13 ou “Mara Salvatrucha”, que espalhou o terror nos Estados Unidos e na América Latina.

Bloods (Red)

  • Bo-Guy (Montreal do Norte, Rivière-des-Prairies e Laval). Os “veteranos” ou “gangsters originais” de todos os Reds.
  • Bad Boys (Rivière-des-Prairies e Montréal-Nord). Outra gangue de veteranos. Estariam mudando o nome para Unidade 44, o nome da linha de ônibus 44 que serve a avenida Armand-Bombardier em Rivière-des-Prairies.
  • 18 ou 18 Street (Saint-Leonard e Ahunstic). Gangue Latina inspirada na gangue da 18th Street de Los Angeles. Os 18 estariam em guerra contra o 67 e o MS-13.

Crimes violentos

A maioria dos crimes em Montreal são não violentos. 5 crimes que levaram à morte em 2018; 21 em 2017, 22 em 2016 e 25 em 2015.

De fato, a taxa de criminalidade foi reduzida quase pela metade desde 1998. É, portanto, mais provável ser atingido por um raio do que morrer por conta de um crime violento na cidade.

Os homicídios tiveram seu pico nas décadas de 1970 e 1980, e os anos 90 foram marcados por acertamento de contas dentro do crime organizado.

Montreal ocupa o 19º lugar no Índice Geral de Gravidade Crime do Departamento de Estatística do Canadá em 2016. Regina tem o maior índice geral de gravidade do crime, seguido por Saskatoon, Edmonton, Winnipeg e Toronto. de Kelowna.

Criminalidade em Montreal. Crimes violentos
A maioria dos crimes em Montreal são não violentos. 5 crimes que levaram à morte em 2018; 21 em 2017, 22 em 2016 e 25 em 2015.

É importante entender que Montreal é uma cidade muito segura em comparação com outras cidades norte-americanas. Nós raramente vemos eventos violentos como tiroteio, por exemplo.

De acordo com a Major Cities Chiefs Association, em 2017 houve 328 assassinatos em Chicago, 136 em Detroit e 170 em Baltimore. A Filadélfia, que tem uma população do tamanho de Montreal, registrou cerca de 10 vezes mais assassinatos.

Embora a cidade seja segura, algumas áreas têm taxas de criminalidade mais altas do que outras. No entanto, esses dados não devem causar pânico ou ansiedade, mas simplesmente servem como uma ferramenta de informação e prevenção.

Mesmo nas áreas mais perigosas, é uma cidade muito segura para todos, a qualquer hora.

Roubos de carros

Estacionamentos de hotéis e lojas são frequentemente lugares preferidos por ladrões de carros.

De acordo com o último relatório anual do SPVM, o roubo de veículos diminuiu em 2,5% entre 2012 e 2016.

A maioria dos roubos de carros desde 2015 foram cometidos nos estacionamentos ao longo da Boulevard Côte-de-Liesse (onde existem vários hotéis) e no Fairview Mall, em Pointe-Claire.

Nesses locais, os carros costumam ficar estacionados por horas ou até dias, explica André Durocher, inspetor e porta-voz do Departamento de Polícia da Cidade de Montreal (SPVM).

Em abril de 2017, o SPVM desmantelou uma rede de ladrões de carros que atuavam nos estacionamentos de hotéis na estrada Côte-de-Liesse. O SPVM também se reuniu com funcionários de hotéis da região, mas parece que o problema ainda não está resolvido.

Outros hotspots para roubo de carros:

  • Perto du magasin IKEA
  • Place Vertu
  • Place Versailles
  • Walmart em Montréal-Norte

De acordo com o Bureau d’assurance du Canada, um carro é roubado a cada sete minutos no Canadá. No entanto, de acordo com estatísticas do Canadá, essa taxa é 55% menor do que há 10 anos.

Criminalidade em Montreal. Roubo de carros
De acordo com o Bureau d’assurance du Canada, um carro é roubado a cada sete minutos no Canadá. No entanto, de acordo com estatísticas do Canadá, a taxa de roubo de veículos no Canadá é 55% menor do que há 10 anos.

Existem dois tipos de ladrões de carro, de acordo com Boivin: aqueles que roubam ocasionalmente e ladrões profissionais que revendem e exportam veículos roubados. Embora a proximidade do porto de Montreal tenha facilitado a saída ilegal de veículos para o exterior, Boivin acredita que controles mais rígidos tiveram um efeito dissuasivo.

Quando ladrões roubam objetos dentro de carros, eles o fazem principalmente no centro e no Velho Porto de Montreal. Um ladrão vê algo no carro e o pega. É por isso que a policia aconselha as pessoas a não deixarem objetos de valor dentro do veículo.

Outros pontos de acesso para roubo em carros:

  • Galeries des Sources (Dollard-des-Ormeaux)
  • Marché central (Ahuntsic-Cartierville)
  • Centre Rockland (Ville de Mont-Royal)
  • Intersecção da 40 et du boulevard Lacordaire (Saint-Léonard) (há um hotel, várias concessionárias de veículos e lojas).

Roubos de casas

Os crimes mais comuns são roubos em propriedades privadas; cerca de 800 são relatados a cada mês. No entanto, deve ser colocado em perspectiva: este tipo de crime afeta menos de 0,1% de cerca de 760.000 famílias e o número de invasões tem sido relativamente estável nos últimos dez anos.

A maioria desses roubos está concentrada no centro de Le Plateau-Mont-Royal e Hochelaga-Maisonneuve. Eles são particularmente comuns no Quartier Latin, no bairro de Milton-Parc (“McGill gueto”) e Rosemont-La-Petite-Patrie.

Os bairros centrais de Verdun e Côte-des-Neiges experimentaram centenas de arrombamentos. O distrito de Ovide-Clermont em Montreal-North também experimenta um grande número de assaltos.

Não surpreendentemente, esses bairros estão entre as áreas mais densamente povoadas da cidade.

Há ladrões andando pelos bairros e testando se as portas não estão trancadas. Esses ladrões costumam ter problemas com o uso de drogas e estão procurando coisas fáceis de tomar. Eles vão procurar por portas abertas ou janelas abertas no verão.

Pichações e vandalismo no centro da cidade

O centro da cidade, particularmente ao longo da rua St. Catherine, no bairro gay e perto da Universidade de Concordia, é o alvo preferido dos vândalos.

Outro lugar em Montreal se destaca: a metade norte da Plaza Saint-Hubert em Rosemont-La-Petite-Patrie. Houve muito mais danos do que nas áreas vizinhas.

Mesma situação no setor de Hochelaga, entre Frontenac e Pie-IX onde varios comercios foram vitimas de vandalismo anti-gentrificação em 2016 e 2017. Várias pessoas já foram presas.

Assaltos

Assaltos são raros em Montreal, mas não no Gay Village e no Quartier Latin. Estes dois bairros viram um total de 230 assaltos desde 2015, um número várias vezes maior do que em outros lugares da ilha. A maioria dos assaltos ocorreu no quadrilátero entre as ruas Sainte-Catherine e Sherbrooke e entre Atwater e Papineau.

A maioria desses roubos acontece nas empresas, acrescentando que as pessoas na rua também podem ser roubadas.

O Village é uma grande zona de pedestres no verão, mas também há muitas pessoas que deixam os bares à noite, que podem ser vítimas fáceis.

Inúmeros assaltos também foram registrados na estação de metrô Côte-Vertu, perto do Collège Marie-Victorin e no setor de Longue-Pointe em Rosemont.

Queda da taxa de criminalidade: por quê?

Várias hipóteses tentam explicar por que o número de crimes em todo o Canadá, vem diminuindo há vários anos. Uma dessas suposições é que, quando a economia está indo bem, há menos crimes.
A outra hipótese é que o número de crimes não diminuiu, mas mudou. “Há um movimento em direção ao cibercrime. Mas quando, por exemplo, o banco relata uma fraude no nosso cartão, muitas vezes não precisamos chamar a polícia; tudo é organizado com a empresa de crédito “, diz Boivin.

Os dados não mostram um aumento da criminalidade com a grande onda refugiados acolhidos no Canada.

Referências

Vídeos

Alice Bessa Veloso

Written by Alice Bessa Veloso

Gosto de me comunicar de maneira criativa e ajudar imigrantes a melhor se integrarem na sociedade canadense. Conheço os grandes desafios ligados a imigração e estou disposta à compartilhar dicas e meus conhecimentos a fim de facilitar a integração dos recém chegados.

Deixe uma resposta