Órfãos de Duplessis é o nome dado a milhares de órfãos que foram falsamente declarados doentes mentais pelo governo do Quebec e confinados em instituições psiquiátricas entre 1940 e 1960. Considera-se que este é o pior caso de abuso infantil na história do Canadá. Todos esses órfãos eram batizados como “órfãos de Duplessis” porque coincidem com a época em que Maurice Duplessis foi o primeiro ministro do Quebec pelo partido conservador.

As crianças que eram consideradas frutos do pecado, pois as mães tinham engravidado sem estarem casadas, eram retiradas de suas mães após o parto e levadas para orfanatos religiosos onde eram, em várias ocasiões espancadas e agredidas sexualmente. Algumas perderam as suas vidas depois de sofrerem tais abusos. Um verdadeiro massacre. Várias outras crianças foram declaradas doentes mentais por médicos que fraudavam laudos e eram escravizadas em hospitais psiquiátricos onde faziam trabalhos pesados, não remunerado e eram frequentemente agredidas. Esses órfãos foram declarados doentes mentais pelas intuições para obter mais dinheiro do Governo federal.

Orfanatos e escolas estavam sob a responsabilidade do governo provincial, que trabalhava em cooperação com a Igreja Católica Romana, responsável pelos orfanatos. Duplessis desenvolveu uma estratégia para obtenção de subsídios federais para milhares de crianças, a maioria delas órfãs por terem sido “abandonadas” por suas mães solteiras.

os órfãos de Duplessis
Maurice Duplessis, primeiro ministro do Québec na época e responsável por um dos episódios mais trágicos da história do Québec

Nos anos que se seguiram, muito depois do fechamento dessas instituições, as crianças já adultas começaram a denunciar os abusos físicos e sexuais que sofreram nas mãos de padres, freiras e administradores católicos. Alguns dos órfãos de Duplessis afirmam que foram escravizados e submetidos a abuso físico extremo como punição por mau comportamento.

Nos anos 90 havia cerca de 3.000 sobreviventes e um grande grupo se formou lançando uma campanha por justiça. Além da responsabilidade do Governo e da Igreja, o Colégio de Médicos do Quebec também foi incluído depois que alguns órfãos encontraram cópias que seus registros médicos haviam sido falsificados.

Classificadas “mentalmente deficientes”, muitas dessas crianças foram submetidas a uma variedade de testes de drogas e usadas em outros experimentos médicos. Libertados apenas quando atingiram a maioridade, estavam despreparados para a vida adulta, não tinham estudos. Suicídio não era raro.

Atormentados por seus tratamentos, alguns se tornaram criminais e muitos tinham comportamentos disfuncionais.

PEDIDOS DE JUSTIÇA

Um dos porta-vozes do grupo com o governo de Quebec foi o escritor e poeta Bruno Roy. Inicialmente, o governo de Quebec recusou seus numerosos pedidos de justiça, mas depois que eles começaram a ganhar ampla publicidade em março de 1999, o governo PQ, após cinco anos no poder, fez um pedido público de desculpas e uma oferta simbólica de aproximadamente $ 1.000 CAD como compensação para cada uma das vítimas. A oferta foi rejeitada e o governo severamente criticado pelo público.

Em 2001, os órfãos receberam uma oferta do governo de Bernard Landry (PQ) para uma remuneração de $10.000 por pessoa mais $1.000 por cada ano passado injustamente em uma instituição psiquiátrica. O suprimento, portanto, foi de cerca de $23.000 por órfão; no entanto, limitou-se aos 1.100 órfãos sobreviventes que o governo havia declarado mentalmente deficientes, sem incluir indenização por vítimas de abuso sexual ou outras formas de abuso. Tendo pouca escolha, a oferta foi aceita por aqueles a quem se aplicou, enquanto os outros não receberam nada. Muitas pessoas ainda afirmam que a justiça não foi feita e que uma ofensa criminal ficou impune.

Em 1942, a Assembléia Legislativa de Quebec aprovou uma lei permitindo que a Igreja Católica Romana vendesse os restos não reclamados de qualquer órfão de uma escola de medicina. Essa prática de vender órfãos permaneceu até a década de 1960. Em 2004, membros do Duplessis Orphans pediram ao governo de Quebec para exumar um cemitério abandonado no leste de Montreal, onde acreditavam encontrar os restos de órfãos que poderiam ter sido objeto de experimentos médicos. De acordo com testemunhos de pessoas que estavam na instituição ( atual Instituto Universitário de saúde mental de Montreal), os órfãos eram frequentemente usados ​​como cobaias para experimentos, e vários morreram. O grupo quer que o governo exuma cadáveres para autópsia.

órfãos de Duplessis pedem justiça
A expectativa de vida dos órfãos Duplessis está bem abaixo da média nacional. Em 2010, estimava-se que apenas 300 à 400 órfãos de Duplessis estejam vivos hoje.

Insatisfeitos com o acordo alcançado em 2001 com o governo do Quebec, os órfãos Duplessis reincidem. Eles fazem uma ação de classe contra o governo federal, o governo provincial e sete congregações religiosas, as Irmãs da Providência, as Irmãs da Misericórdia, as irmãs Grey, o pequeno Franciscanos de Maria, Irmãs do Bom Pastor, as Irmãs de Notre Dame e os Clérigos de São Viator. Eles reivindicam $ 875.000 por reclamante pelo abuso físico e psicológico sofrido por anos.

O advogado do grupo explica que durante aquele período fizeram experiências com essas crianças: eletrochoque, isolamento, agressão sexual, injeção de drogas muito fortes. “Eles eram usados ​​como cobaias”, diz ele. Ele coletou depoimentos de várias vítimas, já que em muitos casos os registros médicos desapareceram ou foram simplesmente destruídos.

DEPOIMENTOS DE ALGUMAS VÍTIMAS

Marc Boudreau não se recuperou. Lastreado de um instituto para outro desde o seu nascimento, é ele quem representa os órfãos de Duplessis nesta ação coletiva. “Eu fui maltratado em todos os lugares”, diz ele.

“Eles estavam fazendo experiências conosco, nós éramos pessoas inocentes enviadas para o matadouro. “Camisa-de-força, agressão sexual, ele até perdeu o uso de um olho. Depois de todos esses anos, Marc Boudreau, que vive de assistência social, diz que tem pesadelos, tem medo e chora toda noite. “Sou infeliz. ”

Até agora, o governo federal desafiou essa ação de classe, bem como três congregações religiosas: as monjas cinzentas de Montreal, as irmãs do Bom Pastor de Quebec e os clérigos de Saint-Viateur.

Hervé Bertrand tinha apenas 14 anos quando um empregado do instituto religioso onde ele foi colocado abusou sexualmente dele tão violentamente que ele teve que ser hospitalizado por um mês.

órfãos de Duplessis
Dezenas de berços com os órfãos em um dos órgãos que “acolhiam” as crianças.

Mesmo hoje, o homem de 73 anos não consegue se lembrar dessa agressão sem explodir em lágrimas.

“É por causa da Igreja que tudo isso aconteceu. Ela não me protegeu. Isso me assombrou toda a minha vida “. Abandonado em um orfanato apenas dois dias depois que ele nasceu, ele nunca conheceu seus pais.

“Eu pensei que fui enviado para o matadouro. Além do abuso, trabalhei doze horas por dia, sete dias por semana, mantendo um quarto com 20 bebês “.

Mas há muito pior, um facilitador contratado pelo instituto para supervisionar os órfãos o teria violentado sexualmente e batido “pelo menos uma dúzia de vezes.”

“Ele me colocava uma camisa de força para que eu não me movesse. Enquanto me batia. Ele me despiu e me forçou. Ele me sodomizou. Uma vez, durou uma hora. Depois, ele me colocou em um banho frio, me limpou e me mandou de volta para o dormitório “, lembra dolorosamente o Sr. Bertrand chorando.

Hervé, então com 14 anos, passou um mês no hospital após o abuso. Um relatório médico da época, evoca a “cauterização das fissuras anais” que o adolescente teve de passar.

Em seu retorno ao instituto, um abade interveio em favor de Hervé e o transferiu para uma escola vocacional, Mont Saint-Antoine. “Eu fui salvo do inferno.”

Apesar do medo “terrível” que sente quando deixa a escola aos 18 anos, Hervé Bertrand consegue encontrar seu lugar na sociedade. Hoje é encanador, casado e tem três filhos.

“Eu fiz várias queixas à polícia contra o meu agressor. Eles não tiveram sucesso. Isso me desencorajou a persegui-lo civilmente. Ele está morto agora “.

Apesar de tudo o que ele sofreu, Hervé Bertrand garante que ele não perdeu a fé.

PEDIDO DE DESCULPAS

Em 2014 o Papa Francisco pede desculpas em nome da Igreja às vítimas. “É meu dever assumir pessoalmente todo o mal que alguns sacerdotes fizeram. Eles são numerosos, mesmo que sejam poucos em comparação com o número total de sacerdotes na Igreja. Em meu nome, peço desculpas pelo mal que fizeram para agredir sexualmente crianças. ”

HOLOCAUSTO BRASILEIRO

Essa terrível acontecimento sombrio da história do Quebec me faz pensar aos 60 mil brasileiros que morreram no hospital psiquiátrico em Barbacena, Minas Gerais.
Durante décadas, milhares de pacientes foram internados à força, sem diagnóstico de doença mental. Ali foram torturados, violentados e mortos sem que ninguém se importasse com seus destinos. Alguns corpos foram vendidos. Eram epilépticos, alcoólatras, homossexuais, prostitutas, meninas grávidas pelos patrões, mulheres confinadas pelos maridos, moças que haviam perdido a virgindade antes do casamento e não doentes mentais. Um horror que a maioria dos brasileiros desconhecem. Nenhum pedido de perdão oficial foi feito e nenhum dos culpados foram punidos.

Documentários

Les Orphelins de Duplessis

O holocaustos brasileiro

Referências

O que você acha?

0 points
Upvote Downvote
Alice Bessa Veloso

Written by Alice Bessa Veloso

Gosto de me comunicar de maneira criativa e ajudar imigrantes a melhor se integrarem na sociedade canadense. Conheço os grandes desafios ligados a imigração e estou disposta à compartilhar dicas e meus conhecimentos a fim de facilitar a integração dos recém chegados.

Deixe uma resposta