Digamos que você pudesse escolher qualquer lugar do mundo para viver. Que o idioma não fosse barreira e você fosse capaz de se comunicar em qualquer língua. Que o seu diploma fosse reconhecido em qualquer país do mundo. Que sua experiência de trabalho fosse muito valorizada por empresas ao redor do globo todo. Que todos os países tivessem um programa de imigração para receber imigrantes de todos os outros países. Enfim, que não houvessem barreiras entre países e você pudesse realmente usufruir de um status de “cidadão do mundo”. Se você tivesse essa possibilidade de escolha, ainda assim você escolheria o Canadá para viver? A minha resposta inicial seria NÃO – e nem seria por causa do frio, mas sim, por causa de outras coisas sobre as quais vou falar aqui.

Veja bem: não se trata de dizer que não gosto daqui, ou que não estou feliz aqui. Tanto que, se alguém me pergunta se eu tenho vontade de voltar para o Brasil, eu respondo prontamente que não. Eu realmente não tenho vontade de voltar para o Brasil. Eu estou muito melhor aqui. Aqui eu tenho segurança, tranquilidade e uma qualidade de vida que eu jamais teria no Brasil. No entanto, há algumas coisas que eu acho que deixam muito a desejar no Canadá. Estas coisas, somadas, incomodam um tanto. E, com isso, eu passei a pensar que se minha escolha fosse totalmente livre, e se eu soubesse de antemão o que sei sobre o Canadá hoje, talvez eu tivesse escolhido um outro lugar para morar. Mas vamos aos pontos.

1) Saúde

A saúde no Canadá é pública, ou seja, todos tem acesso aos serviços médicos de forma igualitária. Esse é um dos itens que faz com que o país figure na lista dos melhores países para se viver. No entanto, aqui, você não tem a liberdade de escolher seu médico especialista como temos no Brasil. Se você precisar de um especialista, primeiro você vai ao médico de família. O seu médico de família vai te indicar para o especialista se ele achar necessário. A data da consulta é o especialista quem define, não você. E como não há especialistas em número suficiente para atender a demanda, isso significa que você terá que esperar meses para conseguir a consulta.

Não acho válido comparar o sistema de saúde canadense com o sistema brasileiro. No Brasil, há o sistema público, mas também os sistemas de convênios e os médicos particulares. Com isso, quem tem condições, vai e paga o médico particular e muitas vezes consegue consulta para o mesmo dia.

No entanto, há outros países que possuem um sistema universal de saúde para seus cidadãos, como acontece no Canadá. Sei que aqui o sistema é gratuito na maioria das províncias. Apenas na British Columbia é preciso pagar (se souberem de outras, avisem nos comentários). Entretanto, em BC, se você é funcionário permanente full time, a empresa paga por você.

Quando comparamos o Canada com outros países com sistema universal de saúde,  percebemos que o Canadá está muito atrás no que se refere aos tempos de espera.

Wait times no Canadá

Dados do Commonwealth Fund mostram que 30% dos canadenses esperam 2 meses ou mais para ter uma consulta com especialistas. Estes números são bem menores em outros países: 3% na Alemanha; 4% na França e 7% nos Países Baixos.

Wait times no Canadá

Quando o caso é de cirurgia, 18% dos pacientes canadenses precisam esperar 4 meses ou mais, enquanto que na Alemanha, 0% (isso mesmo, zero) reportam precisar esperar todo esse tempo por uma cirurgia.

Vale lembrar que o tempo médio de espera por uma consulta com especialista no Canadá todo é de 21.2 semanas (praticamente 5 meses!). A província com maior tempo de espera é New Brunswick, com 41.7 semanas. Não é incomum que pessoas esperem mais de 1 ano por consulta com especialista, e para tratar coisas muito sérias e graves! Ontário, por sua vez, tem o menor tempo médio de espera, de 15.4 semanas. Não vou dizer que em Ontário a espera é de “apenas” 15 semanas, porque falar “apenas” num caso desses me soa como piada de mal gosto.

O tempo de espera varia não só com a região, mas também em função da especialidade que você precisa. Pode ser que demore 1 mês, ou pode ser que demore 4, 5, 6 meses para conseguir uma consulta. Quando se está com dor constante, sem condições de trabalhar, isso se torna uma eternidade… E aí você pergunta: mas casos como este não são prioridade? A resposta é NÃO. Prioridade aqui só se realmente houver risco de morte. Para grávidas, há o acompanhamento pré-natal desde os primeiros meses. Ainda bem né? Se fosse depender de fila de espera, o bebê nasceria antes de elas conseguirem atendimento…

Vejam o gráfico abaixo e observem como o problema só vem piorando desde 1993 (barra cinza).tempo medio de espera por provincias

Dinheiro não é problema

Ao contrário do que muitos pensam, o problema da saúde no Canadá não é falta de dinheiro. O Canadá gasta, por ano, 10.6% do PIB com saúde, enquanto que na top performing Alemanha o gasto é de 10% do PIB. A Alemanha, no entanto, está sabendo aplicar muito melhor esse dinheiro, já que os pacientes alemães recebem prontamente o tratamento médico necessário, bem diferente da situação do Canadá.

O problema principal do sistema de saúde canadense é que o setor privado aqui é praticamente demonizado. Não é permitido pagar por consultas. O governo veta totalmente a participação dos pacientes nos custos de tratamentos. No entanto, isso tem se mostrado um tiro no pé: na intenção de garantir saúde igual para todos, o governo canadense deixou mais de 1 milhão de pessoas sem receber o tratamento médico necessário em 2017. Isso significa quase 3% da população do país.

doctors-per-1000-peopleSe dinheiro não é o problema, o que seria então? A falta de recursos médicos é uma delas. O Canadá figura entre os países de primeiro mundo com o menor numero de médicos disponíveis.

(Neste momento, não tenho como não me lembrar do quão difícil é para os imigrantes da área de saúde conseguirem validar seus diplomas aqui. Ter mais profissionais para atender os pacientes já seria uma ajuda e tanto na redução deste problema!)

Outro fator é a falta de leito nos hospitais. enquanto na Alemanha há 8.2 leitos para cada 1000 habitantes, no Canadá são apenas 2.7 leitos.

beds per 1000 people

Envelhecimento da população

Ter uma população que envelhece a cada ano também faz com que a demanda pelo sistema de saúde seja maior. Todos estes motivos somados deveriam ser mais que suficientes para que o governo realmente investisse em um sistema que trouxesse resultados.

No entanto, o Canadá insiste em manter o sistema totalmente financiado pelos impostos, sem nenhuma participação do setor privado (e isso às custas da saúde dos pacientes). Enquanto isso, países com melhor performance na área adotaram a participação do setor privado no sistema.

Por exemplo: Austrália, França, Nova Zelândia, Suécia e UK tem um sistema de saúde que é mantido pelo governo, mas que permitem que os seguros privados cubram serviços e despesas médicas necessárias aos pacientes. (Nota: o governo custeia; não são os pacientes que pagam).

Já na Alemanha, Países Baixos e na Suíça, o sistema universal de saúde é baseado num competitivo sistema entre as seguradoras de saúde. Claro, o governo regulamenta todo o sistema, para garantir que todos tenham acesso a um pacote adequado de atendimento. Não vou entrar em detalhes de como funcionam estes sistemas porque não estudei a fundo e nem é o foco aqui. Mas posso dizer que funciona muito bem, tanto que a Alemanha é referência mundial quando se trata de sistemas de saúde universal.

Entre os países desenvolvidos, apenas no Canadá os pacientes são reféns da impossibilidade de escolha. Confesso que me espanta que o governo de um país tão liberal e com tanta preocupação com o bem-estar dos seus cidadãos continue errando feio em algo tão importante quanto atendimento à saúde.

Bons resultados

Nem tudo é ruim, no entanto: em algumas áreas, o sistema canadense funciona. Embora muitos encontrem dificuldade em conseguir um médico de família, a média de consultas com Family Doctor aqui é maior do que a média mundial. Cirurgias de catarata e de reconstituição de joelhos (sim, aqui há cirurgias para reconstruir partes desgastadas da patela, usando tecidos artificiais) são feitas acima da média mundial, quando comparados os países com sistemas de saúde universal. Se o Canadá está acertando nestes quesitos, poderia se esforçar um pouco mais para melhorar nos demais, não?

2) Transporte público

Há pessoas que acham que o sistema público de transporte no Canadá seja bom. Há outros que acham que o sistema é fraco e deixa muito a desejar. Eu faço parte deste segundo time. Se você fizer uma busca na internet, vai ver que o sistema de transporte público das grandes cidades do Canadá não aparece entre os melhores do mundo. No entanto, eu entendo que o país deveria se sair melhor nesse quesito, já que é considerado um dos melhores no mundo para se viver.

Para mim, um bom sistema público de transporte é aquele que é rápido e eficiente a ponto de te fazer optar por ele – e deixar o seu carro em casa. Isso não acontece comigo e nem com muitos amigos meus que moram nas grandes cidades canadenses. Aqui em Vancouver, por exemplo, se você morar perto de uma estação de skytrain, e o seu destino também for próximo a uma estação de skytrain, aí com certeza você vai mais rápido se utilizar o transporte público. Mas se sua opção for pegar ônibus, esqueça: de carro, com certeza, você chega antes. E é por isso que eu sempre friso a importância de uma malha ferroviária bem abrangente.

Aqui no Canadá, a malha metroviária precisa de expansão em todas as grandes cidades do Canadá para chegar aos patamares esperados para países de primeiro mundo. Basicamente, Toronto, Vancouver e Montreal têm sistemas de trem. Ottawa tem o O-Train, que é um light rail train. Possui apenas uma linha em operação e tem uma segunda em construção, que espera-se que seja inaugurada ainda este ano de 2018.

Investimentos

Toronto tem investido bastante na expansão do sistema de transporte, mas infelizmente começou tarde. Já em Vancouver, não encontrei nada que mostrasse planos do governo em expandir o sistema de transporte. Aliás, só encontrei notícias sobre projetos vetados em função dos impactos ambientais…. Sem comentários. Desenvolvimento sustentável existe, só que aqui em BC parece que eles não acreditam nisso.

Voltando ao ponto: de modo geral, ainda falta muito para que as grandes cidades canadenses tenham uma cobertura comparável a cidades como Madri, Shangai, Londres, só para citar alguns. A região metropolitana de Madri, por exemplo, tem praticamente o mesmo número de habitantes da GTHA (Grande Toronto + Hamilton). No entanto, os mapas do subway das duas cidades (Madri e Toronto) não são nada comparáveis… Veja abaixo alguns dos melhores sistemas do mundo, quando comparados ao Canadá.

subway-around-world
Clique para ampliar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

canada-transit-mos
Clique para ampliar.

Você escolheria o Canadá?

Escrever este texto foi um exercício interessante para mim. Quando eu comecei, eu achei que eu fosse listar um monte de coisas que me incomodam aqui. E aí, conforme fui escrevendo, percebi que muitas coisas que me incomodam são particulares da cidade de Vancouver, onde moro atualmente. O Canadá, como país, não tem tantas coisas ruins que impactem o meu dia-a-dia. Pelo contrário: a qualidade de vida que se tem no país é muito boa. Há muito pouca coisa que eu citaria realmente como “problemas”.

Claro que se eu pudesse escolher o lugar perfeito para morar, eu escolheria. Um lugar onde eu tivesse pronto atendimento médico qualquer que fosse o problema de saúde. Uma cidade onde eu tivesse satisfação em usar o transporte público sem pensar duas vezes. Mas isso é utópico, porque eu tenho certeza que, neste país imaginário, eu encontraria outros problemas reais.

Em suma, eu estou feliz aqui e o Canadá é um excelente país. No entanto, o que muitas vezes acontece é que a gente, por se acostumar aos altos padrões do país, passa a ficar exigente demais e a querer que perfeição e eficiência estejam presentes em tudo. No entanto, países são feitos de pessoas – e pessoas são imperfeitas. Querer que tudo funcione de maneira perfeita, com o máximo da excelência em todos os setores, é apenas utopia. Mesmo assim, devemos fazer nossas críticas construtivas. Se o sistema pode melhorar, não devemos simplesmente nos acomodar e achar que as coisas são como são.

Deixe seu comentário

E você, se fosse “cidadão do mundo”, teria vindo para o Canadá? Você que já mora aqui há algum tempo, conte pra gente quais suas impressões sobre o país hoje. E se você ainda planeja vir, conte-nos o que espera encontrar. Lembre-se: seu comentário é a parte mais importante deste texto. 😀

Mais sobre Saúde:

Canada should learn from countries that do universal health care differently—and better

How health care works around the world

Waiting Your Turn: Wait Times for Health Care in Canada, 2017 Report

Bacchus Barua: The private cost of health-care queues in Canada

Mais sobre transporte público:

Ottawa: Expanding O-Train Service

The Top 10 Best Public Transit Systems In The World

Andrea Zotelli

Written by Andrea Zotelli

Formada em Engenharia Civil, vim para o Canadá em busca de novos horizontes. Sou uma pessoa curiosa que adora ler, escrever e participar de debates sobre os mais variados temas. Minha imensa vontade de aprender e trocar experiências acabou me trazendo aqui para o Canada Agora.

9 Comentários

Deixe um Comentário
  1. Adorei o texto Andrea! Concordo com todos os pontos que vc mencionou. Moro em Winnipeg ha 3 anos e realmente a saude deixa a desejar – nao concordo com a forma como o sistema funciona. Transporte a mesma coisa. Aqui nao eh tao cosmopolita como Vancouver, a cidade eh mais espalhada e o inverno eh rigoroso. Transporte publico, na minha opiniao, horrivel! Nao abrange toda a cidade e eh MUITO mais demorado do que usar o carro. Vc disse tudo que eu penso: transporte publico para ser bom, tem que me fazer optar por ele ao inves do carro, por me salvar tempo. Aqui, um trajeto que de carro fazemos em 15 minutos, usando o onibus, gasta-se entre 40min e 1 hora. Quanto a pergunta, se eu escolheria o Canada….gosto MUITO daqui e das pessoas, mas talvez optaria pelos EUA, pois ja morei la e a diferenca em algumas coisas, eh bem marcante.

  2. Achei o texto super interessante e muito bem escrito, porem fiquei com alguns questionamentos: No inicio voce diz que se não tivesse problema com idioma, reconhecimento profissional e educacional , voce nao escolheria o canada para viver. Mas no fim voce diz que nao existe lugar perfeito(concordo) e entao fica o questionamento : Sabendo que num país com melhor sistema de saude e transporte, teriam outros aspectos importantes na qualidade de vida que seriam inferiores ao canada , ja que nenhum país é perfeito, voce realmente nao escolheria o canada? Qual país voce acha que escolheria? Se nao souber um especificamente , cite 3. De tudo que ja pesquisei, vivi, conheci e escutei, o canada na media me parece estar no top 3 de melhor país pra se viver no mundo. E mesmo o sistema de transporte e saude nao sendo perfeito , acho errado quem diz que é ruim, talvez por idealizar muito , queremos um sistema altamente eficiente em todos os aspectos. Por fim, te pergunto se tendo em vista as politicas canadenses atuais, voce acredita que esses sistemas de saude e transporte iram melhorar nos proximos anos ?
    Enfim, acho que o melhor lugar varia muito de pessoa pra pessoa, eu por exemplo, se fosse escolher os 3 melhores países pra se viver, eu colocaria Canadá, Austrália e Dinamarca, mas isso é pessoal.
    Muito obrigado pela atenção e parabens pela postagem e pelo blog.

  3. Calgary tem light train tbm Andrea.
    Excelente texto.
    Talvez eu escolheria outra cidade ao invés de Vancouver, mas foi a cidade que nos escolheu.

    • Que vexame! Esqueci de incluir Calgary entre as grandes cidades canadenses…. affff. Lol.
      Obrigada, Anderson, por me lembrar. 😀

      Quanto a Vancouver ter te escolhido…. daqui a pouco vc vai poder escolher outra, com certeza. 😉

  4. Andreia, adorei o texto e o detalhamento das informações. Parabéns pela dedicação e pelo carinho em compartilhar tais informações com todos os interessados.
    Respondendo a sua pergunta, eu ACHO que iria para a Dinamarca ( só acho, nunca fui mas li sobre e acho o país e as condições de vida lá incriveis) mas nunca deixei de considerar os EUA, especialmente Orlando (amo a Disney) e o Canada.

    • Oi, Vinícius! Que legal seu comentário! Adorei. 🙂

      Eu tbém nunca visitei mas eu acho que Dinamarca, Finlândia, Suécia seriam opções muito interessantes. Pelo menos em pesquisas e reportagens, estes países estão sempre bem nos quesitos de qualidade de vida, de atendimento a saúde, trânsito, infraestrutura, etc. Seria uma maravilha morar num lugar assim.

      Obrigada mesmo pelo comentário. Muito gostoso poder ler a opinião de vocês. 😉

  5. Andréia realmente é ruim a falta de um sistema de saúde particular, eu estava acostumado com o plano de saúde da empresa no Brasil, eu ia no hospital e era atendido na mesma hora, para especialistas eu marcava consulta na mesma semana, não ter a opção de pagar um plano de saúde não é bom.

    Se eu tivesse a livre opção para aonde ir eu iria pro Japão.

    • Oi, Rafael! Que legal sua resposta, gostei muito! 🙂
      Eu, sendo bem honesta, acho que também iria pra outro lugar. Japão seria uma opção e tanto. Meu marido é descendente de japoneses e eu adoro a cultura de lá. Ia gostar muito de viver num país tão seguro e tão limpo e bem cuidade. 🙂

      Super obrigada pelo comentário. Abraço grande! 😀

Deixe uma resposta