Este depoimento acabou caindo nas minhas mãos graças ao nosso querido amigo João Gonçalves e dá excelentes conselhos sobre o mercado de trabalho canadense. Muitos dos quais eu gostaria muito ter sabido antes de ter chegado aqui. O mais interessante disso tudo é que o autor é algo como nós, um imigrante que veio parar o Canadá apostando suas fichas em uma vida melhor.

Leia com atenção, compartilhe com o máximo de pessoas possíveis e guarde com carinho.

Como tem tudo a ver com o texto, não deixe de conferir 17 dicas sobre como encontrar emprego no Canadá e como você deve investir em melhorar seu idioma.

Abraços!


Há alguns dias, eu participei do Gateway 2017 em Markham, Ontario. O evento era uma conferência gratuita para recém-chegados no Canadá e que estavam com dificuldades de entrar no mercado de trabalho. A conferência dava a oportunidade às pessoas de expressarem suas preocupações, fazer perguntas e desenvolver um networking com CEOs de outros profissionais de diversas empresas.

Eu tive a oportunidade de escutar em primeira mão várias críticas de imigrantes que não conseguem emprego no Canadá.

#1 Falta de informação sobre o que significa Canadian Experience

Todo mundo fala sobre essa tal de experiência canadense. Todo mundo fala sobre isso mas não tinha sequer UM painel discutido isso. Uma mulher da Nigéria pegou o microfone nitidamente revoltada. “Como eu posso ter experiência canadense se eu não consigo um emprego?! Eu estou há 8 ANOS procurando por um emprego!”

Muitas pessoas pensam que a tal da “experiência canadense” é sobre ter trabalhado no Canadá. Por incrível que pareça, não é! Pra mim, Canadian Experience é sobre a pessoa que está querendo te contratar ser capaz de reconhecer seus “soft skills” e seu conhecimento sobre o ambiente de trabalho canadense.

E aqui tem algo interessante. Muitas pessoas diziam ter feito várias entrevistas por telefone mas nenhuma acabava realmente numa oferta de emprego. Pense no seguinte: se você foi chamado para uma entrevista por telefone, o recrutador já sabe que você nunca trabalhou no Canadá. Por que então estariam ligando pra você não tem experiência canadense?

Você provavelmente não ter sido capaz de demonstrar os soft skills necessários para a vaga. Ou você não tinha uma boa habilidade de se comunicar. Ou você subestimou/superestimou sua experiência. Eu já ouvi de recrutadores que entrevistavam pessoas que nem sequer olhavam na sua cara enquanto falavam!

Eu já ouvi de recrutadores que entrevistavam pessoas que nem sequer olhavam na sua cara enquanto falavam!

Em casos como esse os canadenses, tentando educados ou movidos por medo das leis sobre discriminação, simplesmente acabam dizendo que você “não tem a Canadian Experience” ou “você é qualificado demais para a vaga”. Enquanto que, na verdade, eles deveriam dizer “seu inglês/francês é muito ruim” ou “meu time vai sofrer horrores tentando entender o seu sotaque” ou “baseado no que você me falou, não parece que você fez grandes coisas”.

Eu estava num painel de discussões falando sobre a minha experiência como um recém-chegado. Um senhor no final da sala falou que, sempre que ele vai a uma entrevista, ele escuta que é “overqualified”. Eu dei minha opinião sobre como ele poderia contornar essa questão, mas quando ele começou a contra-argumentar eu percebi qual era o problema dele e me senti um tanto encabulado de falar o que eu pensava na frente de todas as pessoas na sala.

Infelizmente eu não consegui falar pessoalmente com ele depois da palestra. O que eu realmente queria ter dito pra ele foi o que eu falou sobre o nível do inglês: “Os recrutadores continuam dizendo que você é overqualified porque eles não estão confortáveis em dizer que o problema é o seu inglês”. Sendo bem honesto, o inglês dele era ruim. Tão ruim que eu não sei como ele conseguiu passar nos exames do IELTS.

O problema é o seu inglês!

Entenda o seguinte. Isso não necessariamente tem a ver com a sua experiência profissional. O inglês pode não ser a sua língua materna. Ou talvez na cultura do país de onde você veio não seja correto falar de si próprio e e o mérito sempre deva ser do seu superior. Ou ainda que você deva permanecer calado. Ou mesmo que você ache contato visual algo rude e indelicado.

No frigir dos ovos a questão é a seguinte: você PRECISA entender COMO os canadenses pensam e quais as expectativas dos recrutadores para ir além desse problema da “experiência canadense”. Não tenha preguiça de pesquisar. Também não tenha medo de perguntar às pessoas que vão ser honestas com você o que elas pensam de você. E o mais importante de tudo: MELHORE O SEU INGLÊS.

#2 Não tomar uma postura ativa na busca por empregos

Se você simplesmente sair atirando seu currículo por aí em “modo metralhadora” e esperar que a tecnologia faça o trabalho dela, você vai ficar um bom tempo procurando emprego. Apesar dos sistemas estarem ficando cada vez mais avançados, quem acaba contratando você é um humano. Você precisa provar que está disposto a trabalhar duro e que é capaz de “pensar fora da caixa”. Foi assim que eu acabei com a estratégia de personalizar cover letters para cada vaga que eu aplicasse e até mesmo criando meu próprio website para tentar me destacar dos demais.

Eu usei essa mesma estratégia quando me candidatei para uma posição de gerente na empresa onde eu trabalhava e deu certo. Logo, eu boto muita fé que isso funciona! Uma vez que você atenda às expectativas do recrutador, os skills no seu currículo estejam de acordo com o que a vaga pede e sua cover letter seja vendendo você como a pessoa ideal, eu garanto que suas chances de ser contratado aumentam umas 10x.

Nota do editor: apesar de eu concordar com os pontos do autor, não dá pra ignorar os sistemas de recrutamento. Muitas empresas abandonaram o uso de email para receber vagas e confiam na eficácia de seleção dos sistemas. Regra geral: esses sistemas varrem seu currículo por palavras-chave e/ou critérios específicos definidos pelos recrutadores. Assim, ao aplicar para uma vaga, ter no seu currículo exatamente o que é exigido aumenta exponencialmente suas chances de ser selecionado.

#3 Não utilizar os serviços disponíveis

Se é de graça provavelmente não é bom ou não vale a pena, certo? Não no Canadá. Se você quer ver para onde vai o dinheiro dos seus impostos, procure os serviços públicos disponíveis na sua cidade. Em geral, recém-chegados não utilizam esses serviços ou por uma questão de orgulho ou porque acham que não vale a pena.

Nesta conferência que eu participei estavam presentes várias dessas empresas que prestam esses tipos de serviços. Pode ser que você não ache o emprego perfeito, mas elas são capazes de te colocar no mercado em uma empresa bem estabelecida e daí pra frente é com você.

Se é de graça provavelmente não é bom ou não vale a pena, certo? Não no Canadá.

Minha prima usou o Costi quando ela estava tentando voltando para a área de finanças. Por fim, eles conseguiram uma vaga para ela em uma empresa de logística trabalhando com contas a receber. Eu mesmo já recebi ótimos candidatos da Npower Canada.

Essa mesma conferência que eu participei é um exemplo do que o Canadá está preparado para fazer pelos novos imigrantes – DE GRAÇA! O evento foi realizado no Hilton, promovido por uma rede de televisão canadense e contou com a presença do prefeito de Markham e CEOs de várias companhias da região.

#4 Não deixar seu currículo no “formato canadense”

Alguém na conferência falou que tinha um currículo de seis páginas!

As pessoas acham que procurar emprego é jogar todas as suas experiências em um arquivo do Word e sair disparando email em todo site de vagas por aí. Uma coisa eu posso dizer sobre isso: é uma estratégia perfeita… PARA O FRACASSO!

As pessoas deveriam procurar ajuda profissional. Aprender sobre como deixar seu currículo no “formato canadense” atendendo às necessidades dos recrutadores. Assim, uma grande parte desse trabalho é saber como “vender” sua experiência de trabalho de forma a agradar quem está do outro lado.

Uma das minhas ferramentas favoritas é o jobscan. Ele permite comparar seu currículo com uma vaga que você informe. Além disso, ele faz uma comparação lado-a-lado e dá uma nota de “compatibilidade”.

Nota do editor: apesar do autor criticar currículos longos, existem empresas que buscam candidatos com esse perfil. Eu conheço pessoas que trabalham para empresas que tem um currículo de 13 páginas.

#5 Não estar disposto a voltar atrás

Nota do editor: bridging programs são cursos oferecidos para estudantes mais maduros como forma de prepará-los para os desafios da vida universitária, muitas vezes tidos como base para a admissão em cursos universitários. Eles também estão disponíveis pra PRs newcomers, independentemente da idade e a maioria aceita PRs com até 3 anos de Canadá

Durante um dos intervalos da conferência eu sentei numa mesa onde estavam três pessoas. Eu me apresentei e acabei descobrindo que eles eram um enfermeiro, um médico e um dentista. Pro meu alívio, os três estavam inscritos no bridging program da YorkU, uma das instituições mais populares em termos de bridging programs.

É incrível que muitas pessoas não utilizem esses serviços. Ao invés disso, eu acabo ouvindo histórias como “eu tenho mais de 20 anos de experiência. Então, por que eu deveria voltar a estudar algo que já faço hoje?”

Olha só, eu entendo que não é fácil essa sensação de “voltar atrás” em termos da sua carreira. Mas você está recomeçando sua vida em um novo país! Isso por si só é uma atitude que requer coragem. Deixar sua família e amigos para trás na esperança de uma vida melhor, não é fácil. Mas adivinhe só? Você também vai precisar ter muita força pra dar um (ou mais) passos atrás na sua carreira também.

Conselhos sobre o mercado de trabalho canadense: humildade e paciência

Eu me candidatei para uma vaga que era pelo menos dois níveis inferior à que eu tinha em Dubai. Essa minha decisão acabou sendo um caso onde eu “atirei no que vi e acertei o que eu não vi”. Ao analisar meu perfil, o recrutador acabou encontrando uma outra posição que não estava publicada. Ela era melhor e ele achava que eu tinha chance de ser selecionado.

Por fim, a vaga acabou dando certo pra mim. Hoje, depois de dois anos ralando duro, numa posição bem abaixo da que eu tinha e utilizando tudo o que eu aprendi sobre a empresa e o modo de pensar do canadense, eu consegui uma promoção para gerente. Isso mesmo. A mesma posição que eu tinha antes de entrar nesta empresa.

Dessa forma, se você for humilde o suficiente e tiver coragem de voltar atrás, seu esforço vai ser recompensado.

Um expert que eu sigo diz que leva de 6 a 12 anos para chegar à qualidade de vida que você tinha antes de imigrar. Este é meu terceiro ano.

Não deixe que seu orgulho atrapalhe sua jornada.

Resumindo

O Canadá acolhe a diversidade no meio de trabalho. Esse é um dos pontos pregados no Gateway 2017. Entretanto, tem algo que não foi abordado lá. Um lugar onde a diversidade não é muito levada em consideração é no meio corporativo. Sua diversidade vai ser aceita quando ela vier na forma de novas ideias, inovação e insights dinâmicos.

Portanto, quando estiver se comunicando, liderando um time, fazendo apresentações, participar de reuniões, fizer um pitch de venda, cuidar de pacientes, quando for pedir aumento, quando se relacionar com seu chefe ou qualquer outro aspecto da vida corporativa, só existe uma maneira correta: o Canadian Way.

Masaru Hoshi

Written by Masaru Hoshi

A última coisa que você vai imaginar olhando pra cara dele é que ele é japonês. Engenheiro de software e co-fundador do Canada Agora. Mora no Canadá desde 2008 e é um apaixonado por viagens.

Deixe uma resposta