Mais do que 3%

Outro dia eu eu falei sobre como o brasileiro não valoriza o trabalho dos seus conterrâneos e as vezes acaba até fazendo com que o negócio não vá para a frente. Se você ainda não leu este artigo, vá lá. Eu espero.

Recentemente a Netflix produziu uma série brasileira de ficção científica chamada 3%. Parece surreal, certo? Talvez porque nossas gerações tenham crescido só com comédias pastelão, filmes de época, pornochanchadas e os filmes do Zé do Caixão. Ou pelo menos é o que a grande maioria fica conhecendo.

Existem excelentes produções brasileiras que não chegam ao conhecimento do grande público porque $$$ matters after all. Obviamente que elas não chegam ao nível de produções multi milionárias de Hollywood, mas sinceramente nem só de Hollywood vive o mundo.

Mais do que 3%

A série da Netflix foi praticamente achincalhada pelo próprios brasileiros. Críticas sobre a atuação, sonoplastia, continuidade e o próprio roteiro. Mas a geração de reclamões e mimimis criados pela Internet só enxerga o “agora” e não entende o quanto uma série como 3% poderia permitir o crescimento do país.

O mais interessante é que ao mesmo tempo que essas críticas negativas brotavam, os gringos só desciam elogios. Exaltavam a diversidade da idéia, o fato de ser uma visão fora do “mais-do-mesmo” das produções norte-americanas. Ficavam impressionados com a criatividade brasileira.

Falta de prestígio

É claro que a série não é perfeita e existem muitos aspectos a serem melhorados. Mas várias séries e filmes de sucesso começaram extremamente mal. Apesar de cultuado hoje em dia, Breaking Bad teve as duas primeiras temporadas com baixas avaliações. Blade Runner foi considerado um fracasso na sua época mas hoje é tido como obra de arte. No fim eles se tornaram o que são hoje graças ao suporte e admiração do público.

Há quem tenha criticado a série motivado pelo popular sentimento de vira-latas, sendo crítico ao extremo com o trabalho. É preciso ser justo e imparcial? Claro que sim. Mas ao fazer isso é preciso também levar em consideração não apenas a realidade dos outros países, mas a história e a evolução da própria indústria nacional.

O pioneirismo as vezes só dá frutos muitos anos depois. Quem sabe o quanto o sucesso dessa série não poderia trazer de benefício para a indústria brasileira no futuro. Mesmo as pessoas que nada tem a ver com cinema poderiam ser beneficiados. Mesmo você e eu.

Em resumo: deixe de ser chato!

Written by japa

japa

Engenheiro de software e co-fundador do PoDeixar. Mora no Canadá desde 2008 e é um apaixonado por viagens. Apesar do apelido, a última coisa que você vai imaginar olhando pra cara dele é que ele é japonês.