in

Campos de concentração no Canadá e no mundo

Campos de concentração no Canadá

Durante a Primeira Guerra Mundial, o mundo foi dividido em seis, havia alianças. Alemanha, Áustria-Hungria e Itália foram inimigos do Canadá. Nós estávamos com a Grã-Bretanha, a França, a Rússia. Todos os imigrantes de nacionalidade inimiga foram colocados em campos de concentração, prisões. O mesmo aconteceu durante a Segunda Guerra Mundial os inimigos eram as pessoas de origem japonesa, italiana e alemã nascidas ou não no Canadá.

Durante a Primeira Guerra Mundial de 1914-1918, um total de 24 campos foram construídos em todo o Canadá. O primeiro deles foi construído em Montreal no dia 30 de agosto de 1914 e foi rapidamente seguido por muitos outros, que surgiram dentro de poucos dias um do outro. Ao todo, quatro campos foram construídos no Quebec durante esse período: um em Montreal, um em Beauport no dia 28 de dezembro de 1914, um em Valcartier e outro em Spirit Lake no dia 13 de janeiro de 1915.

Durante a Segunda Guerra Mundial, de 1939 a 1945, havia 26 Campos de concentração no Canadá, sendo que 10 deles no Quebec. No seu auge, em 1944, o Canadá teve 34.193 prisioneiros nesses campos.

Esses prisioneiros eram, na maior parte, cidadãos estrangeiros, prisioneiros de guerra enviados aqui pela Grã-Bretanha. Às vezes até mesmo oficiais nazistas. Essa é a grande diferença em relação à guerra anterior, cuja maioria dos detentos eram cidadãos canadenses de origem estrangeira, considerados “inimigos interno”.

Medidas extraordinárias exigiam o registro e, às vezes, a prisão de todos os “estrangeiros” ou canadenses de origem estrangeira: isso inclui mais de 80.000 canadenses. Entre 1914 e 1920, um total de 8.579 canadenses foi trancado. Destes 8.579 cativos, apenas 2.321 foram classificados como “prisioneiros de guerra”.

Em tempo de guerra, era possível fazer qualquer coisa com os inimigos. As pessoas cuspiam neles, batiam neles. Mesmo nas grandes cidades, não encontravam trabalho .

Paradoxalmente, muitos desses imigrantes desembarcaram no Canadá no início de 1900, encantados com a promessa de uma vida melhor feitas pelo governo canadense. Mas uma vez que a guerra foi declarada, eles foram vítimas de xenofobia.

Campos de concentração no Brasil

Durante a 2ª Guerra, também tivemos 31 campos de concentração — onde japoneses, italianos e principalmente alemães ficaram confinados.

Campos de concentração nazista

Uma pesquisa recente realizada pelo Memorial Shoah em Washington identificou 42.500 campos de concentração de tamanhos variados que funcionaram entre 1933-1945, em que morreram ou foram presas 15 a 20 milhões de pessoas. Entre as vítimas, cerca de 6 milhões de judeus, mas também prisioneiros políticos, ciganos, poloneses e russos, bem como outros grupos étnicos, homossexuais e deficientes.

Os campos de concentração nazistas são grandes centros de detenção criados pelo Terceiro Reich de 1933 até o fim da Segunda Guerra Mundial, com objetivo de explorar a força de trabalho e matar adversários políticos, residentes de um país conquistado, grupos étnicos ou religiosos específicos, etc. São os detidos que eram forçados a construir esses campos, as vítimas trabalhando em condições desumanas, muitas vezes deixando suas vidas. O Terceiro Reich utilizou os campos de concentração, como Dachau ou Buchenwald para deter e aterrorizar oponentes políticos do regime e para internar judeus, ciganos, Testemunhas de Jeová, homossexuais e “elementos antissociais”, tais como criminosos, vagabundos, etc.

Após a eclosão da II Guerra Mundial, esses campos estão se multiplicando para trancar a resistência e oposição de toda a Europa ocupada, mas também para ser um reservatório de trabalho escravo. O trabalho era exaustivo, a comida era inadequada, o atendimento era quase inexistente, o abuso regular e a alta mortalidade. Tudo foi feito para desumanizar as vítimas e levá-las a uma morte rápida.

Ao consolidar todas as suas informações e o número de sites conhecidos em cada região, bem como o trabalho anterior, eles estabeleceram a existência de 42.500 guetos e campos de concentração nazistas de todos os tipos, a maioria construída na Alemanha e na Polônia. A título de comparação, o Ministério da Justiça alemão lista apenas 1634 acampamentos nesses dois países.

Os pesquisadores registraram 1.150 guetos judeus, 30.000 campos de trabalho, campos de concentração 980 mil campos de prisioneiros cheios, milhares de fábricas de armas, 500 bordéis onde as mulheres eram escravas sexuais, bem como milhares de “centros de saúde” nos quais mulheres grávidas sofreram abortos forçados, recém-nascidos mortos, deficientes físicos e homens idosos assassinados.

Como parte da destruição dos judeus da Europa, também são criados, a partir de 1941, seis campos de extermínio, cuja natureza e objetivos são distintos daqueles do sistema de campo de concentração.

Campos de concentração em funcionamento atualmente

Campos de “reeducação” para muçulmanos na China

Um vasto sistema de vigilância e terror foi construído para controlar os 12 milhões de cidadãos uigures e cazaques da região ocidental da China.

Algo terrível está acontecendo em Xinjiang agentes de segurança que estão sempre presentes, controlando o comportamento dos habitantes, se a pessoa for pega agindo de uma forma que foge ao aceitavel pelo governo chinês, não seguindo os costumes tradicionais, ela pode detida sem julgamento e trancado indefinidamente em um campo de educação política. Desde a primavera de 2017, o governo chinês vem desenvolvendo internações em larga escala de cidadãos muçulmanos na província do Turquestão Oriental (ou Xinjiang). De acordo com vários testemunhos e pesquisas, acredita-se que cerca de 10% da população de minorias muçulmanas na região esteja em dezenas de centros de detenção extrajudiciais, visíveis em imagens de satélite. Sob o pretexto da luta contra o terrorismo, as autoridades prendem arbitrariamente cidadãos de todas as idades. A maioria desaparece sem dar nenhuma notícia, trancados por tempo indefinido em celas superlotadas, submetidos a uma doutrinação política intensiva centrada na aprendizagem mecânica de “pensamentos de Xi Jinping”, o presidente chinês.

Qualquer marca de convicção religiosa, respeito pela tradição local ou ligações com outros países pode ser considerada um sinal de “radicalização” ou “solidariedade terrorista”.

Em uma região a 3.000 quilômetros de Pequim, sob controle policial totalitário, a lista de delitos é extensa inclui por exemplo: se a pessoa não bebe álcool ou não fuma, usa mensagens WhatsApp, é jovem e usa uma longa barba ou hijab, recusa a entregar dados biométricos, comparece a funerais tradicionais, fala com alguém que tenha viajado para o exterior, não deixa um funcionário dormir em sua cama, tenta cometer suicídio enquanto está sob custódia da polícia, dá o nome de seus filhos de Medina ou Mohammed, possui várias facas, não coloca o relógio no fuso horário de Pequim, recusa ouvir a rádio estatal ou denunciar seus parentes … A longa lista de proibidos acabou de se alongar com uma lei “anti-halal” votada nos últimos dias.

Campos para “reformar” cidadãos na Coréia do Norte

A Coreia do Norte admitiu publicamente pela primeira vez a existência de campos de concentração para controlar e “reformar” cidadãos com linhas que diferem do regime de Kim Jong-un. Um oficial do Ministério do Exterior e representante de Pyongyang na ONU negou diante de jornalistas que o governo tenha campos de prisioneiros, mas centros “de trabalho para reformar” os detidos. esses locais de detenção são onde as pessoas “verificam a sua ideologia e refletem sobre seus atos imorais.” Até agora, essa foi a única resposta ao relatório elaborado há meses pela ONU com denúncias de execuções, desaparecimentos e tortura no país. O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidos constatou violações “sérias, generalizadas e sistemáticas” na Coreia do Norte e documentou a crueldade a que foram submetidos mais de 24 milhões de pessoas.

Campos de concentração a céu aberto na faixa de Gaza

Gaza é considerada um campo de concentração ao ar livre. Um verdadeiro campo de concentração administrado pelo ocupante, apesar das resoluções da ONU. Quase 2 milhões de habitantes estão isolados em condições desumanas, com a cumplicidade da “comunidade internacional”, que parece tolerar tudo segundo quem está preocupado, um “duplo padrão”!

Nenhum avião pode pousar, nenhum barco pode se aproximar, nenhum veículo ou pessoa pode entrar na Palestina sem a autorização de Israel ou do Egito. Eles têm uma quantidade limitada de alimentos com restrições de quais tipos de alimentos que entram na região, limitações determinadas por Israel quanto a entrada de cimento ( o que impede a reconstrução dos prédios destruídos pelos bombardeamentos), limitações quanto a pesca. A água e a eletricidade estão também sendo limitadas com frequentes cortes sob controle de Israel o que tem um impacto terrível nos hospitais e usinas de tratamento de água. Sem eletricidade as empresas de Gaza não podem funcionar, as pessoas não têm empregos e para circular ou trabalhar em Israel somente com autorização. O plantio é proibido mesmo em território palestino. Os agricultores que não respeitam as interdições são assassinados.

Estes são apenas alguns dos mais famosos campos de concentração que existem ou existiram. Mas é sempre a discriminação de um povo que está em questão, seja uma minoria religiosa, cultural ou por discordância ideológica a história se repete.

Referências

O que você acha?

Alice Bessa Veloso

Written by Alice Bessa Veloso

Gosto de me comunicar de maneira criativa e ajudar imigrantes a melhor se integrarem na sociedade canadense. Conheço os grandes desafios ligados a imigração e estou disposta à compartilhar dicas e meus conhecimentos a fim de facilitar a integração dos recém chegados.